sábado, 4 de maio de 2013

Por causa de um frango

Esta semana me encontrei tentando fazer peito de frango assado no forno. Sabia que ele terminou comigo por causa de um frango que não ficou pronto a tempo? Terminou por causa de um frango. Juro. Foi o estopim.


Vai fazer um ano este mês, finalmente. E não é muito engraçado eu cismar justo agora de aprender a fazer frango? Será que eu penso que se aprender a fazer o frango direitinho não vão mais me abandonar? Engraçado e triste ao mesmo tempo. Patético, né.

Daí fiz esse frango essa semana. Horrível. Engraçado também que acabei fazendo ele no único dia da semana em que eu não podia errar no tempo. Não erro mais o tempo. Não perco mais tempo. Mas o tempero... De noite entrei no site da Ana Maria Braga e anotei o passo a passo de uma receita de frango assado. Juro que ainda faço um frango bom, não basta ficar pronto na hora certa. Questão de honra.

Que medo de viver situações semelhantes. Tenho muito medo. Antes de começar a escrever não tinha me dado conta dessa ligação entre os frangos.

Comecei a pensar nisso porque marquei com meu namorado um fim de semana romântico. E há dois dias estou estranha. Sonhos estranhos, pesadelos, inquietação e hoje, véspera, ansiedade mesmo. Ontem estava pensando em desculpas para não irmos. Inventando problemas. Perdi o entusiasmo de fazer a mala.

Custei a entender. E então lembrei dos fins de semana “românticos” que tive com o ex. Todos um desastre. Sinto mal estar quando lembro. O frango foi o estopim, mas os principais motivos eram esses fins de semana.

Acho que até esse fim de semana que marquei foi por causa do passado. Uma necessidade de refazer as coisas, de ver dar certo? Provar pra mim que posso ser feliz?

Eu gosto de frango e gosto de fins de semana românticos. Não posso deixar um trauma estragar essas coisas boas. O que posso (mais) fazer para poder esquecer? Já tenho um novo amor.

Se nosso fim de semana for horrível ele vai querer me deixar? O amor é novo, mas os medos são antigos...

Será mesmo que um frango ou um final de semana podem determinar nosso destino? Somos tão miseráveis assim?

segunda-feira, 8 de abril de 2013

E o teu medo de ter medo de ter medo...

Acho que não escrevi antes mesmo é porque não há novidades. Continuo naquele drama chatinho da vida sexual. Mas tive uma noite muito boa, muito boa mesmo. Só que inexplicavelmente não gozei. E comecei a perceber que eu estou na mesma que ele. Tentando não me envolver demais. Querendo um relacionamento onde eu possa molhar só os pés.
Um lugar onde eu não corra perigo. E que ninguém possa me machucar de novo.

quinta-feira, 31 de janeiro de 2013

Perigo

Sou uma mulher altamente psicotizante, rs, com alto potencial de fazer os homens brocharem.


Tem um motel na minha cidade, que era muito bem falado quando eu era adolescente. Agora é meio sem graça. Todas as vezes que fui nele foi um desastre total. Fui com meu ex lá e brigamos horrores, chorei até. Fui a primeira vez com o dançarino lá, ele praticamente não teve ereção de tão rápido que gozou. Fomos a segunda vez lá e ele gozou só de eu pegar nele, depois não subiu mais. E sim, finalmente fui a primeira vez com meu atual lá, e ele também não teve ereção! Nunca mais volto nesse maldito motel. A rigor posso dizer que eu nunca transei nele! kkkkkkk.

A minha vida sexual é sempre assim, ou estou tentando transar com um cara pra ver se namoro com ele ou estou namorando com um com quem não consigo transar. Será que eu escolho isso? Posso acreditar que essa repetição é pulsão de morte? Isso acontece porque eu escolho os homens mais problemáticos? Por que eu sou atraída por homens problemáticos? E assim volto a minha teoria dos homens difíceis...

Homens complicados. Como resistir a eles? E se homens complicados for uma redundância? Todos temos certa complexidade...

O que estou pensando é que meu atual é um homem muito marcado por sofrimentos do passado. Ele não queria se envolver, tem muito medo de amar e sofrer novamente. O pênis dele saber o que está fazendo. Está apenas tentando protegê-lo.

E eu? Eu gozo com a situação, tenho meu homem complicado. Bem complicado.