segunda-feira, 5 de novembro de 2012

A Epifania


Eu precisei mudar o blog porque aconteceu algo maravilhoso... Estou apaixonada! E não é por um livro, rs. Como Paulo Honório, faço um capítulo só para Madalena...


Tudo é adorável, como diria Barthes, quando nos apaixonamos. É tudo o que eu precisava agora que encontrei um orientador que me permitirá estudar o amor, rs. O tal professor importante (fodão). Minhas inspirações agora são Píramo e Tisbe, Tristão e Isolda.

Meu pequeno objeto a me disse hoje que lembra de cada detalhe do nosso primeiro encontro (saímos quatro vezes). Tudo.

Nos beijamos o tempo todo... muito. Sua boca me dá uma sede que nunca ouvi falar. (Lembrei de como eu sempre reclamava que meu ex não me beijava).

Ele canta. Engraçado que agora que superei meu nojo pelo sertanejo pop encontrei alguém que também odeia! Temos tanto em comum. Até a mania de esquecer e negar o que dissemos.

E ama os livros. É um amor fetichizado e que domina o seu imaginário. Passional, fala quase tudo o que pensa, diretamente.

Seus olhos são bons. Quando penso neles sinto uma vontadezinha de chorar. Só um pouquinho, pra não borrar o rímel, rs.

O que mais direi que vocês não possam imaginar? Que não como, não durmo e suspiro involutáriamente? É paixão sim. Com todos os sintomas que tenho direito.

E no final das contas imagine que somos quase vizinhos e não nos conhecíamos...

Estou aqui escrevendo de madrugada para não perder o momento de Epifania. E é por isso que mudei o nome do blog. Já não será mais Literatura e Confissão. Quero que esse blog seja como o caderninho em que James Joyce escrevia suas epifanias. As epifanias de Joyce eram momentos mágicos que só ele entendia. Revelações do divino em fragmentos do cotidiano.


Interessante, lendo sobre epifanias... “No grego clássico essa palavra era usada em relação 'À alvorada, ao amanhecer', quando o sol transpõe a linha do horizonte e torna-se visível.” (In: http://www.sermao.com.br/sermoes/as-epifanias-de-cristo/). Mas isso são segredos de liquidificador, rs.

Quando o sol bater na janela do teu quarto...


*                              *                              *

P.S.: Estava olhando o post anterior... quem escreveu aquilo? Eu tornei a ver aquele cara louco. Impressionante como ele perdeu toda a graça. Ele bateu na minha porta uma noite qualquer do nada. O beijo dele ficou ruim depois que vi que era só um canalha. O tesão virou pó, não consegui transar com ele novamente. Felizmente nunca tive atração por cafagestes.