quinta-feira, 31 de março de 2011

“O problema é que eu te amo...

... não tenho dúvidas que com você daria certo, juntos faríamos tantos planos, com você o meu mundo estaria completo..." (Cássia Eller).

Hoje toda a tristeza veio à tona. Não pude mais segurar. Eu não estava me dando conta de que ficar longe dele dói tanto. É como diz o Zeca Baleiro: "A saudade é um trem de metrô, subterrâneo, obscuro, escuro, claro, é um trem de metrô... A saudade é um filme sem cor, que meu coração quer ver colorido...".
Essas coisas vêm à consciência muito repentinamente, através de uma foto, uma música ou uma frase ouvida ao telefone. E logo não se pode mais estar tranqüilo.
Não quero que ninguém me veja assim. Talvez por isso tenha corrido pra cá. Confessar minhas fraquezas.
Não é fácil. Tantas canções sobre esse tema.
Sou forte? O quanto? "Num dia triste, toda fragilidade incide, e o pensamento lá em você..." (Djavan).

Se o pagamento já tivesse saído correria para o aeroporto amanhã. Ao invés disso vou beber. Beber para esquecer, ainda não inventaram nada melhor.
Amar é simplesmente horrível. O amor é uma fruta espinhenta, venenosa e doce.
Acho tão inacreditável que tudo isso tenha acontecido sem minha permissão.
Só posso chorar.



Saudade (Almeida Júnior)
 
"Quando bate um coração
Tudo pode acontecer
A razão manda soltar
E a paixão manda prender
O ciúme quer matar
A saudade quer doer
A cabeça quer pensar
Mas o amor só quer você." (Rastapé)

Nenhum comentário: