segunda-feira, 12 de julho de 2010

Identificação

Está bem, não agüento ficar sem falar nada do Graça. Tomando-se como referência Infância, Insônia e Angústia, nota-se na obra de Graciliano Ramos alguns temas recorrentes, sendo que a maioria deles é chave para a humanidade. Outros nem tanto, talvez só eu mesma me identifique. São eles o incômodo da dúvida, as diversas manifestações da angústia, o sentimento de limitação social/castração, o descontrole, os impulsos inconscientes, a sensação de sufocamento, o sofrimento da espera, a insônia, as lembranças desagradáveis da escola/infância, o palavreado que enjoa, as associações com cobra, a doença, o delírio, o desconserto diante do ato sexual, a carta de recomendação de um político, a idéia de ter sido humilhado, o castigo, idéias subjetivas Diabo/Inferno, a morte, a política, a revolução.
Bom, me parece que em Infância uma parte de Angústia se desenvolve e se fixa como autobiografia. É como se as recordações infantis fossem especialmente desenvolvidas em Infância e a ficção fosse eliminada ao máximo. Já em Insônia pequenos pontos importantes de toda a obra são desenvolvidos cuidadosamente conto a conto, de modo que podemos ver a maior parte dos elementos que compõem Angústia fragmentados como num mosaico que é Insônia.

Sei lá, às vezes parece que não há mais nada a se fazer do que escrever. É em algo assim que GR acreditava. Também acredito.

Nenhum comentário: