domingo, 7 de fevereiro de 2010

Unheimlich

Estava olhando fotos do escritor Lobo Antunes e achei essas tão sexy... Repare no olhar, na boca séria.
Confesso que tinha medo dele porque não consegui terminar de ler Os cus de Judas, comecei a passar mal lá pela letra S. Essas fotos apesar de não serem atuais, mudaram meu conceito. Ele me parece tão “unheimlich”, no sentido estranho e familiar ao mesmo tempo (vide O Estranho, de Freud, vol. 17). Parece um psicopata e ao mesmo tempo um adorável cafajeste. Tem algo do Mr. Big de Sexy and the city e em última análise lembra aquele Prof. G. Vejamos o Mr. Big:

Se Barthes estiver certo quando afirma que o amor vem por indução (vide Fragmentos de um discurso amoroso), então acho que matei a charada. Num dos primeiros dias de aula do Sr. G, ele comentou sobre esse conceito do “unheimlich”. E eu estava meio que com medo dele, ele é estranho mesmo. Ele disse que algo “unheimlich” pode causar por exemplo, medo e atração ao mesmo tempo. Pode ter nascido aí. Ele próprio me induziu. Ou apenas me seduziu? Com definições de termos psicanalíticos...

Bom, na verdade lendo O Estranho eu não vi essa possibilidade de definição, contudo, não posso dizer que está errado pois não sou estudante de língua Alemã. Posso apenas citar duas definições freudianas: "o estranho é aquela categoria do assustador que remete ao que é conhecido, de velho, e há muito familiar" e "esse estranho não é nada novo ou alheio, porém algo que é familiar e há muito estabelecido na mente, e que somente se alienou desta através do processo da repressão". Nada atraente.

Nenhum comentário: