sábado, 13 de fevereiro de 2010

Hábitos noturnos

Desde que minhas "férias" começaram, aliás, desde que entreguei a monografia, tenho dormido e acordado bem tarde. Eu sei que não tenho insônia. A questão é que nunca gostei de dormir cedo. Desde criança eu ficava apenas pensando ao invés de dormir. Pensava em tudo. Só forçava o sono com medo dos monstrinhos coloridos que começavam a pular no sofá que ficava na sala, no meu campo de visão, rs.

Sempre senti que a noite é o melhor momento. Depois das 11 minha mente sempre fica mais lúcida. É como se tudo fosse preto e branco durante o dia e à noite tudo fizesse sentido. Odeio ler de dia, dá sono. Já de noite é sempre ótimo, a leitura flui, a escrita flui. Sou viciada em ler de madrugada desde os 12 anos, quando obtive um quarto individual. Antes era obrigada a apagar a luz para que minha irmã dormisse.

A partir dos 18 tive seis anos de estudos à noite que me estimularam muito. Primeiro as aulas de física, história e literatura, no cursinho pré-vestibular. Fascinante, era impossível chegar e dormir direto. E depois veio a faculdade. Lembro-me como as primeiras aulas de Teoria da Literatura me deixaram doidinha, rs. A indefinição do conceito de literatura queimava os miolos.

Há algum tempo conversei com um calouro que me fez rir muito. Ele estava revoltado com essa questão da literatura e citava tudo o que o professor havia dito que a literatura não era. E aí ele dizia, - Mas e então? O que é literatura afinal? – Parecia que ele estava sendo enganado, injuriado, rs. Como veterana, fiquei com vontade de lhe dar alguma explicação. Mas na verdade não podia, porque a literatura é assim, provocação, jogo. É admirável como os professores conseguem mexer com os calouros. O início do curso é um divisor de águas. Ou você se deixa seduzir pela Literatura ou você se revolta e vai se refugiar na Linguística. Mas essa última também não é muito confiável, apenas possuiu teorias e abordagens que dão uma sensação de maior segurança. Enfim, os muito neuróticos não dão conta de seguir a Literatura.

Não sei como um papo sobre insônia foi parar em literatura. Na verdade a insônia já foi motivo para a produção de muitas obras. Mas como disse, eu não tenho insônia. Sempre odiei dormir cedo. Só durmo cedo quando estou numa rotina de estudar ou trabalhar pela manhã. Fora isso é impossível. Eu consigo evitar doces, consigo parar de beber, consigo esquecer um amor, mas não consigo dormir cedo espontaneamente. A insônia é um vício. Assim como a literatura. Mas serei uma pessoa "normal", porque pretendo trabalhar no período da manhã em breve.

Um comentário:

Dih disse...

Olá! Adorei seu blog. Acabei de ler essa postagem sobre hábitos noturnos. Sou assim como você, à noite tenho mais disposição para tudo. Pensei que houvessem poucas pessoas como eu... rsrsrs...

Obrigada por estar seguindo meu blog. Fique à vontade e seja bem-vida!

Beijos