segunda-feira, 1 de fevereiro de 2010

Você ainda acredita em deus?

Um momento que considero muito importante na minha vida foi quando cheguei à conclusão de que deus não existe. Não consigo entender como pode haver tanta gente inteligente por aí acreditando em coisas assim. E eles ainda gostam de dizer: você não pode provar que deus não existe! E você? Pode provar que o Coelhinho da Páscoa, o Papai Noel e o Curupira não existem? Que gente mais idiota. Com todo respeito ao caríssimo leitor “temente a deus”, mas aqui eu não vou medir as palavras, estou cansada de sofrer preconceito por ser ateísta. O mínimo que eu posso dizer é: vocês são um bando de neuróticos com delírios de onipotência! Vou me acalmar agora. Eu não quero, nem preciso, que ninguém deixe de acreditar em deus só porque eu não acredito. Eu sei que tem gente que realmente precisa acreditar em deus, precisa crer que há alguém ajudando eles, que toda essa injustiça no mundo tem um sentido e que um dia irão para o paraíso. Mas eu não preciso, ok? Respeitem isso que eu respeito vocês. No dia que precisar eu arrumo alguma coisa nesse sentido. Do jeito que está eu estou conformada, não preciso acreditar que existe um céu com anjinhos para não temer a morte. Morrer é ruim mesmo, principalmente quando não é a gente que morre e sim alguém querido. Mas essas coisas não me ajudam, não me consolam, não fazem sentido pra mim. Eu não sou uma pessoa ruim, até já fui religiosa. Apenas parei pra pensar nisso tudo e vi que era tudo hipocrisia, ferramenta para manipular as pessoas. Não gosto disso. E fico triste de pensar que a maioria das pessoas acredita e sofre com essas idéias. Mas eu não posso fazer nada. Infelizmente eu não acredito que existe um ser superior que controla tudo e que se eu pedisse ele me atenderia e iluminaria o coração de vocês para que vocês se libertem. Isso não existe, cada um é que tem que se libertar dos próprios fantasmas, rituais, pensamentos obsessivos, idéias mágicas e superstições. Ou não, pois então, o que seria do Harry Potter? Acho que o que mais irrita as pessoas é justamente a fantasia de que eu me considero superior a elas, entre outras coisas, por ser ateísta. Mas eu nunca disse que me acho superior, sou apenas diferente, não é? Mas como a situação em questão parece ser um atraso de vida, logo, sempre olho essas pessoas com indulgência e não admiração. Acreditar em deus é uma característica que coloco na mesma lista junto com: fumar, não gostar de ler, homofobia, língua presa, advogado, racismo, etc. Coisas desagradáveis, mas que sempre fazem parte da personalidade de alguém bem perto da gente. Mas também não sou desses malucos que estudam teologia pra provar que deus não existe. Porque eu deveria fazer isso? Se você quer acreditar o problema é seu. Eu não me preocupo nem mesmo com a teoria da evolução das espécies do Darwin, deixo isso pros biólogos. Repito, não vejo ninguém argumentando que os vampiros não existem. Além do mais há uma questão muito debatida na psicanálise: pode ser considerada final de análise a situação de um sujeito que ainda acredita em deus?

Nenhum comentário: